Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 49


49

Qualidade de vida e Transtorno Bipolar: um estudo epidemiológico

Autores:
Flaviane Maria Pereira Belo (flavi_belo@hotmail.com) (Universidade Federal de Alagoas) ; Patricia Maria da Silva Rodrigues (Universidade Federal de Alagoas) ; Maria Cicera dos Santos de Albuquerque (Universidade Federal de Alagoas) ; Willams Henrique da Costa Maynart (Universidade Federal de Alagoas) ; Adnez Regina Tertuliano da Silva Cassimiro (Universidade Federal de Alagoas) ; Ronald Seixas Santos (Universidade Federal de Alagoas)

Resumo:
Introdução: A qualidade de vida está relacionada a percepção que a pessoa tem sobre a vida cultura, valores, expectativas e preocupações diante do futuro; influencia a saúde física, o estado psicológico, o nível de independência, as relações sociais e ambientais em que a pessoa está inserida (THE WHOQOL GROUP, 1995 apud GAZALLE, 2008, p. 08). O Transtorno Bipolar (TB) atinge aproximadamente 1% da população geral no mundo, afeta as pessoas sem distinção de classe social, idade, raça, provoca problemas socioeconômicos, pode haver uma forte associação entre o TB e a qualidade de vida (RASSI; ARAÚJO; NASCIMENTO, 2010). Objetivos: Verificar a associação de TB, TB tipos I e II com a qualidade de vida no bairro Benedito Bentes. Metodologia: Estudo epidemiológico, observacional, descritivo e transversal, realizado no bairro do Benedito Bentes, Maceió/AL. Amostra composta por 894 pessoas, probabilística, aleatória por conglomerados e não estratificada. Para coleta utilizou-se formulário eletrônico com os instrumentos MINI International Neuropsychiatric Interview, Brazilian Version 5.0.0; e WHO Quality of Life-BREF. Considerou-se intervalo de confiança de 95% e p valor < 0,05. Pesquisa aprovada pelo CEP da Ufal, número 608.613. Resultados: Evidenciou-se que pessoas com TB tem comprometimento na qualidade de vida em todos os domínios do WHOQOL, tendo maior significância para o psicológico (62,44; DP± 17,09; p valor 0,01), físico (61,24; DP± 19,91; p valor 0,03) e ambiental (40,65; DP± 13,28; p valor 0,05) quando comparadas a pessoas sem TB. Pessoa com TB tipo I tem menor qualidade de vida em relação a TB II, em especial no domínio psicológico (DP± 17,09; p valor 0,03). Contribuições ou implicações para a enfermagem: Os dados obtidos colaboram com o enfermeiro para que planeje a assistência às pessoas com TB, auxilie os familiares, favorece a comunicação com os profissionais e serviços de saúde.


Referências:
GAZALLE, F. K. Fatores associados à qualidade de vida em pacientes com transtorno bipolar. Tese (Doutorado em Medicina) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Medicina, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Psiquiatria, Porto Alegre: RS, 2008. RASSI, A.; ARAÚJO, A. S. M. S. de; NASCIMENTO, I. Transtorno bipolar: curso e qualidade de vida. In: NARDI, A. E. Transtorno bipolar: diagnóstico e tratamento. São Caetano do Sul, SP: Yendis, 2010, p. 81-95. THE WHOQOL GROUP, Development of the World Health Organization WHOQOL - BREF, Quality of life assessment Psychological Medicine. v. 28, n. 3, p. 551-558, 1998.