Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 175


175

TRAJETÓRIAS PROFISSIONAIS E A (RE) CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DAS ENFERMEIRAS NO BRASIL

Autores:
Ednir Assis Souza (ednirassis@hotmail.com) (Escola de Enfermagem - UFBA) ; Carmen Fontes Teixeira (Instituto de Saúde Coletiva - UFBA) ; Mariluce Karla Bomfim de Souza (Instituto de Saúde Coletiva - UFBA)

Resumo:
A identidade profissional deriva de processo de socialização, que une especificamente, a opção pela carreira, a formação, os movimentos de emprego e as práticas, seja no interior das instituições de saúde ou em outros coletivos sociais, via processos interativos constantes, dos quais deriva o autorreconhecimento como profissionais em sucessivas configurações e (re) configurações identitárias. Esse estudo analisou as trajetórias profissionais de um grupo selecionado de enfermeiras, considerando aspectos como: motivação para a opção pela carreira, as características da formação e as percepções sobre as práticas profissionais realizadas ao longo da atuação no âmbito do sistema de saúde público e/ou privado. Trata-se de um estudo sócio histórico, que analisou o discurso de enfermeiras em exercício profissional no Brasil, de 1988 a 2014, e suas práticas nas dimensões assistenciais, gerenciais, educativas e de pesquisa. Os resultados demonstram que a escolha profissional está associada à possibilidade de inserção no mercado de trabalho, conferindo uma identidade profissional as enfermeiras. Já os processos formativos contribuem para a (re) configuração dessa identidade na medida em que produziram uma antecipação da trajetória futura (identidade de si) que orientaram a identificação de oportunidades de trabalho que pudessem vir a garantir o reconhecimento, o prestígio e a autoestima (identidade para outros). No que se refere às práticas, a dimensão assistencial confere maior identidade a essas trabalhadoras, embora a natureza do seu trabalho seja eminentemente assistencial-gerencial. O estudo traz elementos importantes para a reflexão acerca das mudanças que vêm se operando no mercado de trabalho e na formação profissional da enfermeira, podendo contribuir para a compreensão mais ampla dos determinantes que incidem sobre a reconstrução contínua da identidade profissional. Palavras-chave: Trabalho da enfermeira; identidade profissional da enfermeira; práticas profissionais em saúde.


Referências:
DUBAR, C. A socialização. Construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005. 343p. FELLI, V. E. A; PEDUZZI, M. O trabalho gerencial em enfermagem. In: Kurcgant, P. (Org.). Gerenciamento em enfermagem. 2ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2012, p. 1-12. FERNANDES, J. D. et at. Expansão da educação superior no Brasil: ampliação dos cursos de graduação em enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 21, n.3, [8 telas], maio/jun., 2013. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n3/pt_0104-1169-rlae-21-03-0670.pdf>. Acesso em 20 jan.2017. LEAL, J. A. L. Processo de trabalho da enfermeira em diferentes países. 2016, 143 p. Tese (Doutorado). Escola de Enfermagem - UFBA. Salvador - BA. 2016. SILVA, V. O.; PINTO, I.C. M. Construção da identidade de atores da saúde coletiva no Brasil: uma revisão de literatura. Interface, v. 17, p. 549-60, 2013. SOUZA, E. A.; TEIXEIRA, C. F.; SOUZA, M. K. B. Análise da produção cientifica nacional sobre o trabalho da enfermeira (1988-2014). Rev. Saúde em Debate, 2017. No prelo.