Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 207


207

"Hospital não, pelo amor!": etnografando processos de desospitalização

Autores:
Luciano Teixeira Rocha (rocha.luciano@gmail.com) (Ministério da Saúde)

Resumo:
INTRODUÇÃO Da mesma forma que estamos vivendo mais tempo, estamos vivendo mais doentes. As doenças crônicas geram perdas econômicas mundiais na ordem dos bilhões de dólares. Os hospitais por serem a tecnologia mais cara do setor saúde devem ter seu uso racionalizado. Os processos de desospitalização surgem como uma das possíveis respostas sanitárias a esses problemas. OBJETIVOS Responder à pergunta: Como fazer desospitalização em hospital geral? METODOLOGIA Trata-se de estudo exploratório em documentos públicos (acadêmicos, oficiais e operacionais) utilizando-se análise documental clássica e em documentos privados (memórias) utilizando-se procedimentos da etnografia. RESULTADOS Dos documentos acadêmicos descobriu-se que desde o final da II Guerra Mundial UTI a desospitalização é uma ferramenta de racionalização dos recursos do hospital. Dos documentos oficiais compreendeu-se que para o SUS esse processo visa garantir a alta responsável dos pacientes do hospital. Dos documentos operacionais depreendeu-se que o processo de desospitalização é composto de macroprocessos que objetivam a inclusão da família, o treinamento do cuidador familiar e a organização de redes de atenção à saúde. Através das memórias entendeu-se a construção do campo pela perspectiva historiográfica da Equipe de Apoio à Desospitalização e Educação em Saúde do Hospital Federal de Bonsucesso e a construção do objeto de pesquisa pela perspectiva participante do pesquisador nos campos e com os artefatos. CONCLUSÕES É possível afirmar que a desospitalização em hospital geral se dá de múltiplas maneiras e que todas elas nos direcionam a ampliar nosso olhar sobre os sujeitos envolvidos na gestão dos seus processos. E que desospitalização é um tema muito pouco explorado em pesquisas acadêmicas.


Referências:
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.390 de 30 de dezembro de 2013. Institui a Política Nacional de Atenção Hospitalar (PNHOSP) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), estabelecendo-se as diretrizes para a organização do componente hospitalar da Rede de Atenção à Saúde (RAS). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n. 253, 31 dez. 2013. Seção 1, p. 54-56. FOUCAULT, Michel. O nascimento do hospital. In: MACHADO, R. (Org.). Tradução de Roberto Machado. Microfísica do poder. 10 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1992. 111 p. LE GOFF, Jacques. História e memória. Tradução de Bernardo Leitão ... [et al.] Campinas: Editora da UNICAMP, 1990. 366 p. NETO, G; MALIK, A. Tendências na assistência hospitalar. Ciência e Saúde Coletiva, v. 12, n. 4, p. 825-839, 2007. OLIVEIRA, Luís R. Cardoso de. O ofício do antropólogo, ou como desvendar evidências simbólicas. Série Antropologia, v. 413, Brasília: DAN/UnB, 2007. 21 p.