Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 232


232

A EXPERIMENTAÇAO ESTÉTICA SOCIOPOÉTICA E O PROCESSO DE AUTOCONHECIMENTO: UMA RELAÇÃO DE POTENCIALIZAÇÃO

Autores:
Rejane Eleuterio Ferreira (rejane_eleuterio@hotmail.com) (UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE) ; Paula Isabella Marujo Nunes da Fonseca (UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE) ; Cláudia Mara de Melo Tavares (UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE) ; José Carlos Carvalho (ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO)

Resumo:
INTRODUÇÃO. Intencionando potencializar o processo de autoconhecimento em coordenadores avançados em transplantes, utilizou-se a experimentação estética disponibilizada pela Sociopoética, denominada "A Caixa do Inesperado" cujo OBJETIVO foi suscitar as sensações destes coordenadores por meio do sentido do tato e buscar sobrelevar seus elementos do inconsciente em relação a entrevista familiar para doação de órgãos. METODOLOGIA. Utilizou-se a Sociopoética. Foram utilizadas 10 caixas pretas de pequeno porte, com buracos semi- abertos na parte superior, cada uma contendo diferentes elementos. Negociou-se o tema gerador "A entrevista familiar e o inesperado". No primeiro momento, os participantes responderam "O que você espera na entrevista familiar? ". Após, tocaram no interior das caixas, atentando às sensações que cada elemento lhes provocava. A seguir, associaram suas sensações às respostas e responderam "O que você enfrenta na realidade na entrevista familiar?". Em seguida, os co-pesquisadores falaram sobre o que a experimentação lhe fez perceber. RESULTADOS. Emergiram as seguintes associações inconscientes: algodão= família doce, leve e fácil; vazio=chegar e não encontrar a família, do familiar diante da morte; lixa= família áspera, difícil e complexa; relógio= automatismo (horário do protocolo), pressa. Os elementos dispostos nas caixas quando associados as emoções, sensações e situações difíceis vivenciadas pelos co-pesquisadores, lhes auxiliaram na compreensão mais palpável daquilo que enfrentam nas entrevistas familiares. CONCLUSÃO. Ao agir desta forma, o sujeito inicia o processo de autoconsciência emocional, fundamental para que haja o discernimento emocional e auto compreensão, potencializando seu autoconhecimento. IMPLICAÇÕES PARA ENFERMAGEM: Ao se identificar a experimentação estética como meio potencializador do autoconhecimento, é possível lançar mão desta nos ambientes de trabalho, principalmente aqueles em que se lida com situações difíceis e dilemas morais. Assim, é possível ajudar estes profissionais a lidarem melhor consigo mesmos e com os outros nestes tipos de situação. Descritores: emoções, doação de órgãos, enfermagem psiquiátrica


Referências:
CASASSUS, J. Fundamentos da educação emocional. Brasília: UNESCO, Liber Livro Editora, 2009. p. 152, 204 - 205. FONSECA, PIMN; TAVARES, CMM. EMOÇÕES VIVENCIADAS POR COORDENADORES DE TRANSPLANTES NAS ENTREVISTAS FAMILIARES PARA DOAÇÃO DE ÓRGÃOS. Cienc Cuid Saude 2016 Jan/Mar; 15(1):53-60. DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v15i1.22747 Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/22747/16940 GAUTHIER, J. O oco do vento. Metodologia da pesquisa sociopoética e estudos transculturais. Curitiba, PR: CRV, 2012.