Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 256


256

Processo de referência e contrarreferência de pessoas submetidas à revascularização cardíaca em Santa Catarina

Autores:
Maria Aparecida Baggio (mariabaggio@yahoo.com.br) (Universidade Estadual do Oeste do Paraná) ; Alacoque Lorenzini Erdmann (Universidade Federal de Santa Catarina) ; Betina Horner Schlindwein Meirelles (Universidade Federal de Santa Catarina) ; Gabriela Marcelino de Melo Lanzoni (Universidade Federal de Santa Catarina) ; Giovana Dorneles Callegaro Higashi (Universidade Federal de Santa Catarina) ; Cintia Koerich (Universidade Federal de Santa Catarina)

Resumo:
Introdução: Os sistemas e redes de serviços de saúde envolvem múltiplos aspectos, que requerem integração: regulação dos serviços; processos de gestão clínica; condições de acesso aos serviços; recursos humanos; sistemas de informação e comunicação, apoio logístico. Insuficiente planejamento da oferta e da regulação de vagas para atendimentos e procedimentos especializados evidencia carência de elementos indispensáveis para o funcionamento do sistema de referência e contrarreferência (OPAS, 2011). Objetivos: compreender o processo de referência e contrarreferência da pessoa acometida por coronariopatia e submetida à revascularização cardíaca nos serviços de saúde de Santa Catarina. Metodologia: Trata-se de Teoria Fundamentada nos Dados (STRAUSS; CORBIN, 2008), realizada com 62 participantes: pessoas que realizaram cirurgia de revascularização miocárdica, profissionais de distintos níveis de complexidade da região de Florianópolis e do município de Chapecó e profissionais gestores atuantes no sistema de regulação municipal e estadual entre 2013 e 2014. Resultados: A pessoa inicia o processo de referência ao perceber sintomas da doença coronária. Após atendimento na atenção básica, as pessoas com coronoariopatia são referenciados para atendimento especializado ou buscam diretamente a instituição hospitalar. Em Florianópolis, o serviço especializado é oferecido nas Policlínicas ou Unidades de Pronto Atendimento. Em Chapecó, o Centro de Referência em Saúde Municipal responde pelo atendimento especializado. Instrumentos de referência e contrarreferência representam importante meio para integração dos serviços de saúde, embora a contrarreferência não esteja estruturada e padronizada formalmente. Conclusões: Evidenciam-se fragilidades no processo de referência e contrarreferência, com desarticulação entre os diferentes pontos da rede de atenção à saúde e necessidade de fortalecimento das estratégias de vínculo entre os profissionais da Atenção Básica e usuário. Contribuições ou implicações para a Enfermagem: Os enfermeiros podem ser facilitadores para adequação da dinâmica de referência e contrarreferência, nos diferentes pontos de atenção à saúde no SUS, favorecendo o exercício da democracia, numa sociedade equânime.


Referências:
ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE (OPAS). Organização Mundial da Saúde. Atenção à saúde coordenada pela APS: construindo as redes de atenção no SUS: contribuições para o debate. Disponível em: http://iris.paho.org/xmlui/bitstream/handle/123456789/18457/9788579670657_por.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 21 março 2017. STRAUSS, A.; CORBIN, J. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para desenvolvimento da teoria fundamentada. 2. ed. Porto Alegre (RS): Armed, 2008.