Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 528


528

Conhecimento dos gestores das Unidades Básicas de Saúde sobre Educação Permanente.

Autores:
Jamylle Catarina Passos Carregosa (jamylleee@hotmail.com) (Universidade Federal de Sergipe) ; Márcia Schott (Universidade Federal de Sergipe) ; Luís Felipe de Souza Sales (Universidade Federal de Sergipe) ; Luana Lima de Jesus (Universidade Federal de Sergipe) ; Paulo Yure Nascimento Silva (Universidade Federal de Sergipe) ; José Ramos Carvalho da Paixão (Universidade Federal de Sergipe)

Resumo:
Introdução: Educação Permanente é a aprendizagem no trabalho, onde o aprender e o ensinar se incorporam ao cotidiano das organizações objetivando a educação dos trabalhadores e a transformação das práticas profissionais. Objetivo: Compreender a visão de gestores de Unidades Básicas de Saúde (UBS) acerca da Educação Permanente (EP). Metodologia: Estudo exploratório, quali-quantitavo, realizado entre Agosto de 2016 e Julho de 2017 através de entrevista com todos os gestores das 15 UBS de Lagarto/SE. As variáveis foram: sexo, escolaridade e conhecimento sobre Educação Permanente. Os dados foram arquivados e trabalhados através do software Excel (Microsoft®) e com a plataforma do Google Docs. Esta pesquisa faz parte do projeto Educar e Nascer, com aprovação pelo Comitê de Ética e Pesquisa conforme Parecer Consubstanciado (nº 949.513). Resultados: Dos 15 gestores (100%), 67% são do sexo feminino e 33% do sexo masculino. Quanto à escolaridade, 40% tem ensino técnico, 33% ensino médio e 27% ensino superior. Quanto a compreensão do tema EP, identificou-se que 99% dos gestores entrevistados não sabiam o que era EP. Desses, 53% afirmaram que ouviram falar da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde do Ministério da Saúde e 47% não conheciam. Conclusão: Observa-se predomínio de mulheres na gestão da APS do município. Quanto à formação, destaca-se o nível técnico como escolaridade mais frequente. A pesquisa demonstrou que a maioria dos gestores entrevistados desconhece a proposta de EP em saúde. Diante dessa constatação faz-se necessário dar continuidade a essa investigação no sentido de compreender se a educação dos trabalhadores da saúde tem acontecido apesar do aparente desconhecimento dos gestores sobre a temática bem como dar subsídios para a capacitação da gestão.


Referências:
VENDRUSCOLO, Carine et al. Educação permanente como potencializadora da gestão do sistema de saúde brasileiro: percepção dos gestores. Revista de Enfermagem da UFSM, [S.l.], v. 6, n. 1, p. 134 - 144, maio 2016. ISSN 2179-7692. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 2017. doi:http://dx.doi.org/10.5902/2179769220229. MISHIMA, Silvana et al. Perspectiva dos gestores de uma região do estado de São Paulo sobre educação permanente em saúde. Rev Esc Enferm USP · 2015; 49(4):665-673.