Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 555


555

"GESTANTES SEM ONDA DE ZIKA" - VIVÊNCIAS DE ACADÊMICAS DE ENFERMAGEM NA ESTRUTURAÇÃO DE UM GRUPO EDUCATIVO

Autores:
Johny Carlos de Queiroz (johnycarlos@uol.com.br) (Universidade do Estado do Rio Grande do Norte) ; Líbne Lidianne da Rocha E Nóbrega (Universidade do Estado do Rio Grande do Norte) ; Ana Clara Costa Mendes (Universidade do Estado do Rio Grande do Norte) ; Júlia Diana Pereira Gomes (Universidade do Estado do Rio Grande do Norte) ; Julyana Rodrigues Maciel (Universidade do Estado do Rio Grande do Norte) ; Suelen Tamiles Pereira Costa (Universidade do Estado do Rio Grande do Norte)

Resumo:
INTRODUÇÃO: O constructo teórico da Educação Popular em Saúde (EPS) foi elaborado por intelectuais, técnicos e lideranças populares, objetivando superar os arcabouços político e econômico geradores de pobreza e opressão. Os grupos educativos potencializam as ações de EPS. Porém, formar um grupo de EPS e consolidá-lo é desafiador. OBJETIVO: Relatar a experiência de sete acadêmicos e um docente do curso de enfermagem da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, envolvidos na estruturação de um grupo educativo relacionado ao projeto extensionista "Gestante sem onda de Zika - Educação em Saúde para não contar com a sorte", desenvolvido na Unidade Básica de Saúde (UBS) Sinharinha Borges, em Mossoró-RN. METODOLOGIA: A UBS é localizada em um bairro pobre e com significativa presença de vetores transmissores de doenças. As atividades do projeto ocorrem mensalmente na unidade desde agosto de 2016 e serão encerradas em julho de 2017. A UBS possui uma média de 55 gestantes cadastradas. RESULTADOS: No primeiro semestre, encontramos dificuldade quanto à frequência das gestantes, mas, o enfermeiro e alguns agentes comunitários colaboraram na superação deste entrave. Incluímos além da discussão sobre Zika Vírus, temas sobre os períodos gestacionais e mudamos os encontros para o dia da consulta pré-natal, aumentando a participação para cerca de 12 grávidas com idades entre 19 e 35 anos. CONCLUSÕES: Apesar das dificuldades, compreende-se que o grupo educativo é um espaço importante de inclusão social e participação cidadã. CONTRIBUIÇÕES: A concretização do grupo contribuiu para a formação do senso crítico-reflexivo entre as acadêmicas perante questões sociais e estimulou o protagonismo das gestantes


Referências:
VASCONCELOS, E. M.; CRUZ, P. J. S. C. (Org.) Educação popular na formação universitária: reflexões com base em uma experiência. São Paulo: Hucitec; João Pessoa: Editora Universitária da UFPB; 2011.