Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 575


575

A PARTICIPAÇÃO NOS GRUPOS DE IDOSOS CONTRIBUIEM PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL?

Autores:
Juliana Vieira de Araujo Sandri (jsandri@univali.br) (Universidade do Vale do Itajaí) ; Paula Mariana Sehnem (Universidade do Vale do Itajaí)

Resumo:
Introdução: Os grupos de idosos têm sido uma alternativa estimulada em todo o Brasil como forma de interação, inclusão social, resgate da autonomia, de um viver com dignidade com qualidade de vida. Objetivo: conhecer se a participação nos grupos de idosos contribuem para o envelhecimento saudável. Metodologia: Pesquisa descritiva e exploratória tendo como método a análise temática por meio da entrevista semiestruturada, junto aos idosos participantes do Núcleo de Atenção ao Idoso, em Balneário Camboriú (SC). Os grupos participantes foram: ´Academia da mente´ e ´Paraquedas´. Todos os critérios éticos para pesquisa com seres humanos foram atendidos. Resultados: Os resultados estão respaldados em 02 categorias: 1) A contribuição da participação no grupo para o envelhecer saudável e 2) Os Benefícios das atividades desenvolvidas no grupo de idosos foi apontada através da inclusão social e socialização; reabilitação e ajuda na capacitação funcional; melhora cognitiva e da auto estima. Conclusão: A participação nos grupos contribui para um envelhecer saudável, mesmo na presença de comprometimento cognitivo ou físico associado as doenças crônicas degenerativas há a inclusão social e socialização, além do que a reabilitação física e cognitiva melhora a autoestima tornando as atividades prazerosas e, consequentemente, ajuda na capacidade funcional proporcionando autonomia e independência. Implicações para a enfermagem: Como profissão do cuidado cabe a enfermagem proporcionar atividades que favoreçam a autonomia dos idosos para que possam manter a sua capacidade funcional e bem-estar por mais tempo possível, vertente central do envelhecimento saudável.


Referências:
ALMEIDA, E.A.; et al. Comparação da qualidade de vida entre idosos que participam e idosos que não participam de grupos de convivência na cidade de Itabira-MG. Rev Bras Geriatria Gerontol [on line], v. 13, n. 3, p. 435-444, 2010. Disponível em:< http://revista. unati.uerj.br/pdf/rbgg/> Acesso em: 27 de julho de 2016. ALVES, L.C., LEITE, I.C., MACHADO, C.J. Conceituando e mensurando a incapacidade funcional da população idosa: uma revisão de literatura. Ciência Saúde Coletiva. p. 1199-1207, 2008. DEPONTI, R.N.; ACOSTA, M.A.F. Compreensão dos idosos sobre os fatores que influenciam no envelhecimento saudável. Estud. interdiscipl. envelhec, p. 33-52, 2010. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde. 2005.