Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 667


667

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF): acolhimento a pessoas portadoras de doenças crônicas

Autores:
Margarete Batista da Silva (margareteb09@gmail.com) (Faculdade Estácio de Alagoas) ; Linda Concita Nunes Araújo (Faculdade Estácio de Alagoas) ; Maely Nunes de Araújo (Secretaria Municipal de Saúde)

Resumo:
INTRODUÇÃO: A presente pesquisa visa discutir o acolhimento há portadores de doenças crônicas na Estratégia Saúde da Família (ESF). Tendo em vista os princípios do SUS a integralidade, universalidade e equidade, e especialmente por ser um projeto social único que se concretiza por meio de ações de promoção, prevenção e assistência à saúde dos brasileiros, o acolhimento aos portadores de doenças crônicas, deve ser de modo humanizado, visualizando-o como ser único proporcionando ao indivíduo o melhor atendimento, para que ele possa sair rico em informações e colocando em prática o aprendizado adquirido durante o atendimento na ESF1. Tendo como objetivo geral analisar os métodos utilizados no Acolhimento a pessoas portadoras de doenças crônicas no âmbito da ESF. METODOLOGIA: Para tanto, a pesquisa ora empreendida é de cunho bibliográfico com a abordagem descritivo/analítico. Que tem como objetivo a análise e a sintetização de artigos científicos, manuais e estudos de forma a encontrar informações relevantes acerca da temática. A pesquisa foi realizada no período de Dezembro a abril de 2017, por meio de buscas online das produções científicas nacionais. DISCUSSÃO: O cuidado de usuários com doenças crônicas deve ser de forma integral/holística. Assim a ESF, por meio de seus princípios e funções, deve conduzir o cuidado dos portadores de doenças crônicas através do trabalho em equipe, prestando uma atenção centrada no individuo e em sua família3. CONSIDERAÇÕES FINAIS: É de suma importância para se obter sucesso no acompanhamento/tratamento, se faz necessário criar/manter um vínculo com esse individuo, proporcionando uma confiança entre paciente e profissional, promovendo assim, uma melhor adaptação ao acompanhamento/tratamento e alcançando assim o objetivo proposto pela ESF.


Referências:
1 - BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. LEI Nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Subchefia para Assuntos Jurídicos. 2 - GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, T. E. Métodos de pesquisa. 120 p. : il. ; 17,5x25cm. SEAD/UFRGS. - Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009 (Série Educação a Distância). Disponível em: http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf. Acesso em: 06/04/2017. 3 - Ayres, R. C. V., et al. Acolhimento no PSF: Humanização e Solidariedade. O mundo da saúde São Paulo. 2006, abril/junho 30 (2) 306-311. Disponível em: www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/35/acolhimento_psf.pdf. Acesso em: 28 de abril 2017.