Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 709


709

O SENTIDO DE PRECARIZAÇÃO/ PRECARIEDADE NO DISCURSO DA ENFERMAGEM DO TRABALHO

Autores:
Marlus Dilvo Melo Souza (marlus_dilvo17@hotmail.com) (Universidade Federal de Alagoas - UFAL) ; Sóstenes Ericson Vicente da Silva (Universidade Federal de Alagoas - UFAL) ; Danúzia Albuquerque Melo de Moura (Universidade Federal de Alagoas - UFAL)

Resumo:
Introdução: No Brasil, a implantação da Saúde do Trabalhador ocorreu a partir da década de 1980, no contexto da transição democrática, iniciando uma nova forma de pensar o processo saúde-doença e o papel do trabalho. Objetivo: Desvelar, pela mediação do discurso, o sentido de precarização/precariedade no discurso da enfermagem do trabalho. Metodologia: Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa, do tipo exploratório, ancorado nos fundamentos teórico-metodológicos da Análise do Discurso inaugurada por Michel Pêcheux (2009). Para estruturação do corpus de análise foram extraídas 20 sequências discursivas (SD) de artigos publicados na Revista Brasileira de Enfermagem (REBEN), considerando o período 2003-2013, constituindo os dez últimos anos ao início do estudo. Resultados: Verificou-se que, quando se tratava das condições precárias de trabalho (precariedade), assumiam maior relevância os aspectos voltados aos meios e aos instrumentos do processo de trabalho, com maior enfoque para as questões de equipamentos e aspectos organizacionais voltados, por exemplo, ao dimensionamento de pessoal. Tomado como sinônimo, o termo precarização estava, predominantemente, associado às condições imediatas do processo de trabalho. Conclusão: Observou-se que há certa tensão no discurso da Enfermagem do Trabalho sobre o sentido de precarização e precariedade, por vezes tomados como sinônimos, sendo importante destacar o não comparecimento das principais teorias de enfermagem nos artigos analisados, tampouco uma vinculação da precarização à condição estrutural do trabalho na sociedade capitalista, enquanto trabalho assalariado. O fenômeno da precarização no campo de enfermagem, para sua devida apreensão, requisita uma fundamentação teórica alinhada às ciências humanas e sociais. Contribuições ou implicações para a Enfermagem: O entendimento da relação capital-trabalho no campo da enfermagem e a necessidade de novos estudos pela Enfermagem do Trabalho deve buscar enfrentar (no que for possível) as estratégias de exploração dos trabalhadores, tanto neste campo, quanto para além dele. Palavras-chave: Precarização. Precariedade. Enfermagem do Trabalho.


Referências:
MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. [1867] 27. ed. Livro I, vol. 1 - o processo de produção do capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. Cap. V - Processo de trabalho e processo de produzir mais-valia, p.210-231. PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. [1975] Trad. Eni Puccinelli Orlandi et al. 4. ed. Campinas, SP: Pontes, 2009.