Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 722


722

ALEITAMENTO MATERNO EM COMUNIDADE DO NORTE FLUMINENSE: VIVÊNCIA DE MULHERES-MÃES

Autores:
Meiriane Christine dos Santos Aguiar (meirianecaguiar@gmail.com) (Universidade Federal do Rio de Janeiro) ; Isis Vanessa Nazareth (Universidade Federal do Rio de Janeiro) ; Luiza Fernanda Thomas Mendonça (Universidade Federal do Rio de Janeiro) ; Beatriz Cristine da Costa Silva (Universidade Federal do Rio de Janeiro)

Resumo:
Introdução: O aleitamento materno se apresenta variável, sendo um processo que envolve interação entre mãe e filho com repercussões no estado nutricional da criança por isso preconiza-se o aleitamento materno exclusivo até o sexto mês, criando benefícios para a criança, e à saúde da mulher. Objetivo: Conhecer e discutir a vivência sobre amamentação das mães atendidas em Estratégia de Saúde da Família do município de Macaé. Metodologia: Estudo qualitativo. A coleta de dados ocorreu com 21 mulheres entre março-julho de 2016 por meio de formulários para obtenção de informações sócio - econômico, familiar, padrão de alimentação da criança e um roteiro com entrevista semiestruturada. Os participantes foram mulheres acima de 18 anos e que estavam amamentando exclusivamente ou em aleitamento materno misto. Excluiu-se mulheres que desmamaram seus filhos a mais de três meses. A pesquisa foi submetida ao Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal Rio de Janeiro, e aprovado sob o número 1.462.028 em março de 2016. A análise dos depoimentos foi fundamentada na análise de conteúdo (BARDIN, 2011) foi codificada uma categoria analítica: As vivências de mulheres no aleitamento materno: Do ambiente hospitalar ao domicílio. Resultado: 50% das entrevistadas mantinham o aleitamento exclusivo. O desejo de amamentar para a maioria das participantes surgiu a partir do incentivo de seus companheiros, familiares e do próprio desejo de ser mãe. 28% tiveram problemas relacionados à amamentação, seja por problemas mamários ou dificuldades econômicas pelo vínculo empregatício. Conclusão: Notou-se que a rede de apoio é imprescindível para a manutenção da amamentação. A enfermagem pode atuar de forma a empoderar as mulheres de conhecimento científico e prático, além de promover subsídios para que o aleitamento materno seja efetivo e duradouro. Descritores: Aleitamento Materno; Vivência materna; Estratégia de Saúde da Família.


Referências:
Referencia: 1) BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Revista e Ampliada. Editora: Edições 70, 2011. 3) FORMIGA, L.M.F. Infant feeding and factors related to breastfeeding. Rev Rene. 2013; 14(6):1064-72. 2) SOARES, M. M., SILVA, M. A., FONSÊCA, P. C., VIEIRA, S. A., ARAÚJO, R. M. A., FRANCESCHINI, S. D. C. C.. Associação entre fatores sociodemográficos e a prevalência do aleitamento materno exclusivo no primeiro mês de vida. Journal of Management Primary Health Care. 2017; 7(1), 56-6.