Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 770


770

A PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM NA CONDUÇÃO DE OFICINAS TERAPÊUTICAS

Autores:
Paula Oliveira Houly (paula.houly@hotmail.com) (Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas) ; Thyara Maia Brandão (Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas) ; Everton Gomes Damasceno (Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas) ; Gabriella de Carvalho Albuquerque (Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas) ; Rayane da Silva Arruda (Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas) ; Karen Gianne da Silva Félix (Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas)

Resumo:
INTRODUÇÃO: Na atenção à saúde mental, as oficinas terapêuticas são atividades que promovem no contexto do Centro de Atenção Psicossocial - CAPS interação entre os usuários, familiares e equipe multidisciplinar, buscando estimular a reabilitação psicossocial através do empoderamento individual. Os usuários do serviço vivenciam o cuidado em CAPS principalmente através de atividades grupais como as oficinas terapêuticas, realizadas por profissionais de nível superior com demais profissionais do serviço e acadêmicos que encontram-se em atividade prática supervisionada. São objetivos dessas oficinas estimular a interação grupal, cooperação, convívio, exercício da tolerância, autoestima, raciocínio, funções cognitivas entre outros aspectos. Assim, faz-se necessária a vivência dessa prática assistencial pelos acadêmicos a fim de instrumentalizá-los para a produção de cuidado em saúde mental.1 OBJETIVO: Relatar a experiência de acadêmicos de enfermagem na condução de oficinas terapêuticas em aulas teórico-práticas num CAPS de Maceió. METODOLOGIA: Relato de experiência realizado por discentes de enfermagem de uma universidade de Maceió, sobre oficinas terapêuticas realizadas com usuários do CAPS durante o ano de 2017. RESULTADOS: O desenvolvimento de atividades terapêuticas como as oficinas permite aos usuários dos serviços expressarem seus conflitos, sentimentos e confidências, favorecendo a formação de vínculo e confiança com os profissionais. Dessa forma, a atenção integral, escuta ativa, comunicação terapêutica são praticadas nas vivências acadêmicas de condução das oficinas aprimorando assim a formação profissional.1,2 CONCLUSÃO: A experiência do acadêmico de enfermagem no CAPS torna possível o exercício de habilidades relacionais e de tecnologias leves essenciais no cuidado ao cliente e na integração da atuação interdisciplinar. CONTRIBUIÇÕES PARA ENFERMAGEM: Na formação do enfermeiro faz-se necessária a aprendizagem de atividades criativas e tecnologias relacionais que potencializem o cuidado, tornando-o singular. DESCRITORES: Saúde Mental; Alunos de Enfermagem, Enfermagem Psiquiátrica.


Referências:
1 PINTO, VAM. Oficinas Terapêuticas em Saúde Mental um olhar na perspectiva dos usuários do CAPS. Rio de Janeiro, 2011. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Escola de Enfermagem Anna Nery, Universidade Federal do Rio Janeiro, Rio de Janeiro, 2011. 2 Azevedo DM, Miranda FAN. Oficinas terapêuticas como instrumentos para recuperação Psicossocial. Esc Anna Nery (impr.), v. 15 n. 2 p.339-345 abr -jun; 2011.