Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 795


795

CONTRIBUIÇÕES DA ENFERMAGEM OBSTÉTRICA PARA AUTONOMIA DA MULHER NO PARTO NORMAL

Autores:
Rosalia Teixeira Luz (rosluz@gmail.com) (Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia) ; Railene Pires Evangelista (Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia) ; Zulmerinda Meira Oliveira (Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia) ; Luisa Kecyane Batista Cardoso (Escola Natasha Franco Vieira) ; Joana Angélica Andrade Dias (Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia) ; Octavio Muniz da Costa Vargens (Universidade do Estado do Rio de Janeiro)

Resumo:
INTRODUÇÃO: no modelo biomédico, as parturientes são submetidas a normas e rotinas rígidas, os profissionais não respeitam seu corpo, tampouco o ritmo natural do trabalho de parto e nascimento, o que interfere no exercício da autonomia colocando-as numa posição de inferioridade1.OBJETIVO: refletir sobre a contribuição da enfermagem obstétrica para autonomia da mulher durante o parto normal. METODOLOGIA: revisão integrativa mediante levantamento bibliográfico em duas bases de dados da Biblioteca Virtual em Saúde, utilizando os descritores assistência, autonomia pessoal, enfermeira obstetra e parto humanizado e critérios de inclusão idioma em português; delimitação temporal a partir de 2010; textos completos e disponíveis gratuitamente. Acessados 135 artigos, dos quais apenas 15 constituíram a amostragem deste estudo. RESULTADOS: as publicações se concentram em Santa Catarina (20%), Paraná (20%), Bahia (13,3%), Rio Grande do Sul (13,3%), Alagoas (6,6%), Pernambuco (6,6%), Piauí (6,6%), Minas Gerais (6,6%) e Rio de Janeiro (6,6%), enfim, nas diversas regiões brasileiras, demonstrando que uma parcela significativa de pesquisadores estão preocupados com autonomia da parturiente visando seu protagonismo durante o parto. A humanização apareceu como fundamental para essa autonomia. CONCLUSÃO: a partir do momento que assistência de enfermagem pautar-se em evidências e boas práticas de parto ativo, a parturiente terá subsídios sólidos para exercer liberdade e autonomia no momento do parto. CONTRIBUIÇÕES PARA ENFERMAGEM: Promover autonomia dessa mulher é uma relevante estratégia para que o parto aconteça com o mínimo de intervenções, evidenciando assim o verdadeiro significado da enfermagem obstétrica.


Referências:
1.Brasil. Política Nacional de Humanização. Humaniza SUS: Humanização do Parto e do Nascimento, vol 4. Brasília (DF). Ministério da Saúde 2014. 2. Gomes ARM et al. Assistência de Enfermagem Obstétrica na Humanização do Parto Normal. Revista Cientifica de Enfermagem, São Paulo, v. 11, n. 4, p. 23-27, jul 2014.