Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 810


810

COBERTURA DOS EXAMES PREVENTIVOS DE COLO DE UTERO EM UM MUNICIPIO DE ALAGOAS.

Autores:
Sara Rafaelle de Oliveira Silva (sararafaelle@hotmail.com) (Centro Universitário Cesmac) ; Luana de Cerqueira Ferreira (Centro Universitário Cesmac) ; Katyanne Machado de Araujo (FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ) ; Hulda Alves de Araújo Tenório (FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ) ; Luciana da Silva Viana (FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ) ; Raissa Fernanda Evangelista Pires dos Santos (FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ)

Resumo:
É fundamental à elaboração e a implementação de Políticas Públicas que garantam ações de controle do câncer de colo do útero (CCU)1. Sendo assim, objetiva-se descrever a cobertura dos exames preventivos de colo do útero no município de União dos Palmares/AL. Trata-se de uma pesquisa descritiva-exploratória, documental e quantitativa. Os dados foram coletados em 2017, após a aprovação pela Secretária Municipal de saúde do município, através do IBGE, portal DATASUS, dados do Laboratório de Análise Clínica (LAC) do município, SISCOLO; no período entre 2012-2016. Segundo o DATASUS, em 2012 foram realizadas 1.637 citologias, comparando com os dados do LAC, observa-se um número superior em todos os anos pesquisados, com ênfase em 2012, com 3.089 exames. No SISCOLO foram totalizados 7.745 exames de 2012-2016, porém só no LAC foram realizados 9.370 exames, ou seja, não houve alimentação do sistema. No DATASUS em 2014 houve 83% de cobertura pelo PSF e PACS. O PSF-Sagrada Família teve a maior cobertura com 300 exames em 2012, e o PSF Santa Fé, a menor cobertura, com de 37 exames em 2014. O PSF Irmãos Francisco e Nelson, modalidade tipo II, com a maior população feminina, apresentou apenas 146 exames em 2014. Nas UBS Casa a Mulher e Dr. José de Araújo Lima, do PACS, obtiveram-se as maiores coberturas em 2012, com 834 exames. Consideram-se fatores que podem influenciar na diminuição de coberturas de exames preventivos do colo de útero, principalmente, a oferta do serviço e fatores socioeconômicos2,3. Conclui-se que existem falhas na alimentação dos bancos de dados, dificultando o estabelecimento da real cobertura realizada pelo município, e ainda há uma baixa adesão da população feminina. Acredita-se que estes resultados auxiliarão os gestores na identificação e correções de possíveis falhas do programa de CCU, além de contribuir para a elaboração de estratégias e melhoria dos serviços.


Referências:
1. BRASIL Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica. Caderno de Atenção nº13. Controle dos Canceres do Colo do Útero e da Mama. Ministério da Saúde, 2013.p. 13-42. 2. DATASUS, Ministério da Saúde. Disponível em: Acesso em: 23 abril 2017. 3. BIM, C.R, PELLOSO. S.M, CARVALHO. M.D.B, PREVIDELLI. I.T.S, Diagnóstico Precoce do câncer de mama e colo uterino em mulheres do Município de Guarapuava, PR, Brasil. Rev Esc Enferm USP 2010; 44 (4):940-6. 4. MACHADO CJ, Cobertura do exame citopatologico do colo do útero no Estado de Minas Gerais, Brasil, no período entre 2000-2010: um estudo a partir dos dados do sistema de informação do Câncer do colo do útero (SISCOLO), Cad.Saúde.,2015, Rio de Janeiro,23(3):253-260.