Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 900


900

USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS ILÍCITAS ENTRE ENFERMEIROS QUE TRABALHAM EM INSTITUIÇÕES HOSPITALARES

Autores:
Alessandro Rolim Scholze (le.scholze@hotmail.com) (Universidade Estadual do Norte do Paraná) ; Júlia Trevisan Martins (Universidade Estadual de Londrina) ; Maria José Quina Galdino (Universidade Estadual do Norte do Paraná) ; Yasmin Gabrielle Fernandes Pujoni (Universidade Estadual do Norte do Paraná) ; Andressa Domingues Silva (Universidade Estadual do Norte do Paraná) ; Renata Perfeito Ribeiro (Universidade Estadual de Londrina)

Resumo:
O uso de substâncias psicoativas tem-se apresentado como um grave problema de saúde pública que atinge diferentes tipos de populações. O objetivo foi avaliar o uso de substâncias psicoativas ilícitas entre enfermeiros que trabalham em instituições hospitalares públicas. Trata-se de um estudo transversal com abordagem quantitativa, desenvolvido com 185 enfermeiros de três instituições hospitalares sendo duas de média complexidade e uma de alta complexidade de uma cidade do Sul do Brasil. Para coleta de dados utilizou-se informações sociodemográficas e ocupacionais e o Alcohol Smoking and Substance Involvement Screening Test. A coleta ocorreu entre o período de outubro de 2015 a abril de 2016. Utilizou-se análise descritiva por meio de frequências absoluta e relativa, para as variáveis numéricas média, máxima e mínima. O projeto teve aprovação do comitê de ética em pesquisa. Entre a população pesquisada houve predomínio do sexo feminino (n=152;82,2%), indivíduos casados (n=113;61,1%), tendo uma média de idade 41,25 anos (variando entre 24 à 63 anos) e renda individual de 6.624,55 reais. Ao abordar as características ocupacionais, entre os enfermeiros observou que, ter um vínculo (n=137;74,1%) se apresentou como a mais autorrelatado, cargo assistencial (n=136;73,5%) e atuar no período diurno (n=131;70,8%). Em relação ao uso de substâncias psicoativas nos últimos três meses ocorreu uma maior frequência de sedativos (n=sete;3,8%) seguido por, anfetaminas (n=cinco;2,7%), maconha (n=quatro;2,2%), opioides (n=três;1,6%) e cocaína/inalantes ambas com (n=um;0,5). Conclui-se que, entre os enfermeiros os sedativos, anfetaminas e maconha foram às substâncias mais identificadas. Embora, tenha sido baixa a frequência entre os profissionais perante o consumo de tais substâncias, evidencia-se que, este ato foi identificado na população, portanto, se faz necessário incluir medidas de redução de danos e prevenção referente ao uso dessas substâncias no ambiente de trabalho.


Referências:
Zarrouq B, Bendaou B,El Asri A, Achour S, Rammouz I, Aalouane R. et al. Psychoactive substances use and associated factors among middle and high school students in the North Center of Morocco: a cross-sectional questionnaire survey. BMC Public Health. 2016;16(468). Dias JRF, Araújo CS, Clos MAC, Francisco MTR, Sampaio CEP. Fatores predisponentes ao uso próprio de psicotrópicos por profissionais de enfermagem. Rev Enferm UERJ. 2011;19(3):445-51.