Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 1135


1135

CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO DE GRADUANDOS EM ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA ACERCA DO HIV/AIDS

Autores:
Fatima Maria da Silva Abrão (abraofatima@gmail.com) (Universidade de Pernambuco, docente PAPGEnf UPE/UEPB) ; Thalyta Roberta Silva Bastos (Universidade de Pernambuco, graduanda FENSG) ; Rebeca Coelho de Moura Angelim (Universidade de Pernambuco, doutorando PAPGEnf UPE/UEPB) ; Brígida Maria Gonçalves de Melo Brandão (Unversidade de Pernambuco, mestrando PAPGEnf UPE/UEPB) ; Daniela de Aquino Freire (Universidade de Pernambuco, mestrando PAPGEnf UPE/UEPB)

Resumo:
INTRODUÇÃO: Desde o início da epidemia até junho de 2016 foram registrados, no Brasil, 842.710 casos, além de reiterar o crescimento de casos na juventude, e a principal via de transmissão como sendo a sexual para todas as faixas etárias (1). OBJETIVO: Descrever a construção do conhecimento de graduandos em enfermagem de uma universidade pública acerca da temática HIV/AIDS. METODOLOGIA: Trata-se de uma pesquisa de campo, exploratório-descritivo, de abordagem quantitativa. Participaram do estudo 111 graduandos devidamente matriculados entre o 4º e o 10º período do curso de enfermagem de uma universidade pública. A coleta ocorreu em 2016 e utilizou-se de questionário. Respeitou-se a Resolução 466/2012. RESULTADOS: O sexo feminino predominou (89,19%). A faixa etária entre os 20 a 24 anos (77,48%) é de adultos jovens; seguidos de jovens de 18 e 19 anos (12,61%); e apenas 9,91% são adultos (25 a 40 anos). Na construção do conhecimento sobre o HIV/AIDS, há grande influência de escola de primeiro e segundo graus, sendo esta apontada por 67,57% dos participantes. A televisão, faculdade e internet também foram veículos de informação bastantes presentes na população estudada, porém com uma menor importância. A temática do HIV/AIDS abordada no terceiro grau ressalta-se a aula expositiva (72,07%). Palestra de convidado (12,61%); debates (7,21%); atividade lúdica (3,60%) foi poucas citadas. CONCLUSÃO: Práticas educativas de acordo com a cultura, a visão de mundo e a realidade da faixa etária, ainda é necessária, o tipo de informação fornecido embora se apresente como sendo simples, pode não ser capaz de desmistificar conhecimentos adquiridos durante a formação pessoal. CONTRIBUIÇÕES PARA A ENFERMAGEM: recai sobre o conhecimento da realidade de graduandos e propicia a reflexão de metodologias proativa para tratar sobre o tema. Descritores: HIV; Estudantes de enfermagem; Conhecimento


Referências:
REFERÊNCIAS: 1. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico HIV/Aids. 2016. [citado em 2016 nov 18]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2016/59291/boletim_2016_1_pdf_16375.pdf