Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 1246


1246

DESENVOLVIMENTO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM DECORRÊNCIA DO TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA

Autores:
Jessyca Elaine Chagas Barbosa (jessycaelaine@live.com) (Universidade Federal do Ceará) ; John Anderson dos Santos Morais (Universidade Federal do Ceará) ; Maysa Mayran Chaves Moreira (Universidade Federal do Ceará) ; Andrea Bezerra Rodrigues (Universidade Federal do Ceará) ; Míria Conceição Lavinas Santos (Instituto Nacional do Câncer) ; Ana Fátima Carvalho Fernandes (Universidade Federal do Ceará)

Resumo:
INTRODUÇÃO: No Brasil o câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres. Entre os tratamentos está à quimioterapia (QT). Dentre os protocolos encontram-se drogas com potencial cardiotóxico, como as antraciclinas. OBJETIVO: Verificar a associação das doenças cardiovasculares com a QT utilizada no tratamento de pacientes com câncer de mama. METODOLOGIA: Estudo descritivo, de coorte, realizado no Centro Regional Integrado de Oncologia em Fortaleza. A amostra do estudo foram 31 mulheres com câncer de mama que realizaram QT no ano de 2011. Foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Ceará, conforme número do parecer 401.171. RESULTADOS: Em relação aos protocolos de quimioterapia, os mais utilizados foram o AC (Adriblastina + Ciclofosfamida) (19,4%), seguido de FAC (Fluoruracila + Adriblastina + Ciclofosfamida) (16,1%), sendo que 12,9% utilizaram AC associado à taxotere. Apenas 38,7% das pacientes realizaram exames para detectar alterações cardíacas, e 22,5% apresentaram doença cardiovascular (DCV) durante o tratamento. Entre essas esteve presente a HAS (12,9%), refluxo mitral leve associado a refluxo tricúspide leve e disfunção diastólica leve do ventrículo esquerdo (3,2%), regurgitação tricúspide mínima (3,2%), e espessamento da válvula aórtica com estenose moderada (3,2%). CONCLUSÃO: Constatou-se que há relação existente entre a terapêutica com antineoplásicos e a cardiotoxicidade, direcionando para a importância do monitoramento de DCV. IMPLICAÇÕES PARA A ENFERMAGEM: Uma vez que foi observada relação, existe a necessidade de atenção aos pacientes que fazem uso de determinados protocolos de tratamento devido ao risco a que estão submetidos. É papel do enfermeiro monitorar possíveis sinais de complicações cardiovasculares especialmente nos indivíduos evidenciados. Neoplasias da Mama. Cardiotoxicidade. Antineoplásicos.


Referências:
EWER M.S, EWER S.M. Cardiotoxicity of anticancer treatments: what the cardiologist needs to know. Nat Rev Cardiol. 2010;7(10):564-75. INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER. Tipos de Câncer. 2016. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2017. KALIL F. R, HAJJAR L.A, BACAL F, HOFF P.M, DIZ M del P, GALAS F.R.B.G, et al. I Diretriz Brasileira de Cardio-Oncologia da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol 2011; 96(2 supl.1): 1-52.