Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 1445


1445

Perfil epidemiológico das vítimas de acidente de trânsito em Alagoas no ano de 2015

Autores:
Mikael Adalberto dos Santos (mikael.adalberto.dos.santos@gmail.com) (Acadêmico de Enfermagem da Universidade Federal de Alagoas - Campus Arapiraca) ; Carlla Maria Cabral da Silva (Acadêmica de Enfermagem da Universidade Federal de Alagoas - Campus Arapiraca) ; Karyne André da Silva (Acadêmica de Enfermagem da Universidade Federal de Alagoas - Campus Arapiraca) ; Nádia Larissa Henrique de Lima (Acadêmica de Enfermagem da Universidade Federal de Alagoas - Campus Arapiraca) ; Priscila Santos Vieira (Acadêmica de Enfermagem da Universidade Federal de Alagoas - Campus Arapiraca) ; Francisca Maria N. da Silva (Docente do Curso de Enfermagem da Universidade Federal de Alagoas - Campus Arapiraca)

Resumo:
Introdução: A alta taxa de mortalidade por acidentes de trânsito configura um grave problema de saúde pública¹. Diante desse cenário, as consequências para a sociedade são: perda de potenciais anos de vida, vítimas sequeladas, sofrimento familiar e aumento do custo social e econômico ao Estado². Objetivos: Descrever o perfil epidemiológico das vítimas dos acidentes de trânsito em Alagoas no ano de 2015. Metodologia: Estudo descritivo quantitativo. Utilizado o DATASUS para coleta dos dados em óbitos por causas externas. Selecionadas 6 variáveis. Resultados: Em Alagoas ocorreram 757 óbitos por acidentes de trânsito em 2015. Esses foram classificados como 6,2% em pedestres, 0,5% em ciclistas, 7,7% em motociclistas, 1,4% em ocupantes de veículos e 82,2% em tipos de veículos não especificados. Em relação à faixa etária, 36 (4,76%), foram em até 14 anos, 539 (71,4%) de 15 a 49 anos e 180 (23,84%) em 50 anos e mais. Quanto ao sexo, 647 (85,7%) eram homens; de cor parda, 703 (93,1%); com escolaridade ignorada eram 662 (87,7%), e 324 (42,9%) tinham o estado civil como solteiros³. Conclusão: Perfil das vítimas: homens jovens e adultos em idade produtiva, pardos, solteiros e com nível de escolaridade indeterminada. A notificação dos acidentes revela-se, na maior parte do tempo, insuficiente ou não executada corretamente o qual dificulta a atuação dos gestores. Contribuições para a Enfermagem: A análise dos dados obtidos pode auxiliar no conhecimento do perfil das vítimas de acidentes de trânsito no estado de Alagoas e fornecer subsídios para o desenvolvimento de estratégias de promoção e prevenção voltados à condução segura de veículos.


Referências:
1 Ministério da Saúde (BR). Departamento de Análise de Situação em Saúde. Mortalidade por acidentes de transporte terrestre no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2007. 2 PAPA, Marília A. F.; WISNIEWSKI, Danielle; INOUE, Kelly C.; et al. Mortalidade por acidentes de trânsito terrestre: análise comparativa. Cogitare Enferm. 2014 Jan/Mar; 19(1):48-55. Disponível em: . Acesso em: 15 de jun. de 2017. 3 BRASIL. Ministério da Saúde. DATASUS. Disponível em: Acesso em: 15 de jun. de 2017.