Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 1683


1683

CARACTERIZAÇÃO DA SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA DE MULHERES EM SITUAÇÃO DE PRISÃO EM ALAGOAS

Autores:
Alba Maria Bomfim de França (albambf@hotmail.com) (universidade estadual de ciências da saúde-UNCISAL; centro universitário tiradentes-UNIT) ; Anne Lúcia Tolêdo Calheiros (Centro Universitário Tiradentes-UNIT) ; Vanuza Pereira da Silva (Centro Universitário Tiradentes-UNIT) ; Antônio Fernando Silva Xavier Júnior (Centro Universitário Tiradentes-UNIT) ; Maria Rita Webster de Moura (Centro Universitário Tiradentes-UNIT) ; Tania Christiane Ferreira Bispo (Universidade do Estado da Bahia-UNEB)

Resumo:
O Brasil não tem garantido condições efetivamente adequadas para o cumprimento de pena de privação de liberdade nas instituições fechadas no país, nas quais se constate o respeito às especificidades femininas. O presente estudo tem como objetivo descrever o perfil da saúde sexual e reprodutiva da mulher em situação de prisão em Alagoas. Trata-se de uma pesquisa descritiva e transversal realizadas com mulheres em situação de prisão de um Estabelecimento Prisional Feminino. A população foi de 103 mulheres, na maioria jovens, solteiras, com pelo menos um filho e com baixa escolaridade, etilistas, tabagistas e usuárias de drogas. A maioria não faz uso de método contraceptivo e nunca realizou o exame preventivo para o câncer de colo uterino (CCU) fora do ambiente prisional. Apenas uma recebe visita íntima. O estudo evidenciou que a saúde reprodutiva e sexual de mulheres inseridas no contexto prisional reflete uma realidade subjugada em justificativa da não implementação de políticas públicas eficazes para esse público.


Referências:
AGNOLO, Cátia Millene Dell et al. Perfil de mulheres privadas de liberdade no interior do Paraná. Revista Baiana de Saúde Pública. 2013, v.37, n.4, p.820-834. Disponível em: < http://files.bvs.br/upload/S/0100-0233/2013/v37n4/a4480.pdf > Acesso em: 15 de fevereiro de 2016. ALAGOAS. Conselho Penitenciário do Estado. Sistema prisional do estado, ano 2008. Disponível em: < http://www.conselhopenitenciario.al.gov.br/estatisticas/sistema-penitenciario-de-alagoas/ >. Acesso em: 15 de fevereiro de 2016. ALAGOAS. Superintendência Geral de Administração Penitenciária. Disponível em: < http://www.sgap.al.gov.br/populacao-carceraria/mapa-08-11.12.2013.pdf >. Acesso em: 15 de fevereiro de 2016. BISPO, Tânia Christiane Ferreira et al. Saúde sexual e reprodutiva no contexto da prisão: vivências de presidiárias de Salvador-Ba. Revista Enfermagem Contemporânea. 2015 Jul./Dez.;4(2):109-120. Disponível em: < https://www5.bahiana.edu.br/index.php/enfermagem/article/view/747 >. Acesso em: 12 de junho de 2016. BRASIL. Lei n. 7.210, de 11 de julho de 1984. Dispõe sobre diretrizes básicas de política criminal e penitenciária. Diário Oficial, 13 jul. 1984. Seção 3, art. 14, p. 2-3. Disponível em: < http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/109222/lei-de-execucao-penal-lei-7210-84 >. Acesso em: 09 de março de 2015. BRASIL. Associação Brasileira de Defesa da Mulher, da Infância e da Juventude, ASBRAD. Relatório sobre mulheres encarceradas no brasil. 2007. Disponível em: < http://www.asbrad.com.br/conte%C3%BAdo/relat%C3%B3rio_oea.pdf >. Acesso em: 20 de janeiro de 2015. BRASIL. Ministério da Saúde. Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário. 1º ed. 2004. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartilha_pnssp.pdf >. Acesso em: 10 de março de 2015. BRASIL, Presidência da Republica. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Grupo de trabalho interministerial - Reorganização e Reformulação do Sistema Prisional Feminino, 2007. Disponível em: < www.observatoriodegenero.gov.br%2Fmenu%2Fpublicacoes%2Foutrosartigosepublicacoes%2Fr-reformulacaodosistemaprisionalfeminino%2Fat_download%2Ffile&ei=3ePUVaa4HsSveKWpougG&usg=AFQjCNH6_bCyfLH36Xt12DTrdsEkx9vOQ >. Acesso em: 20 de agosto de 2015. BRASIL, Ministério da justiça. Mulheres encarceradas diagnóstico nacional. Departamento Penitenciário Nacional - DEPEN, 2008. Disponível em: < http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/cao_civel/cadeias/doutrina/Mulheres%20Encarceradas.pdf >. Acesso em: 19 de agosto de 2015. BRASIL. Ministério da Justiça. Boas práticas do sistema penitenciário nacional. Departamento Penitenciário Nacional, 2009. Disponível em: < http://s.conjur.com.br/dl/manual-boas-praticas.pdf >. Acesso em: 03 de setembro de 2015. BRASIL. Ministério da Saúde. Legislação em saúde no sistema penitenciário. Secretaria de Atenção em Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Serie E, 2010, 172 p. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/legislacao_saude_sistema_penitenciario.pdf >. Acesso em: 19 de agosto de 2015. BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário. Série B. Textos Básicos de Saúde. 2 ed. Brasília (DF): Editora do Ministério da Saúde. 2005. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_nacional_saude_sistema_penitenciario_2ed.pdf >. Acesso em: 13 de novembro de 2015. BRASIL. Lei Nº 11.942, de 28 de maio de 2009. Dá nova redação aos arts. 14, 83 e 89 da Lei no 7.210, de 11 de julho de 1984 - Lei de Execução Penal, para assegurar às mães presas e aos recém-nascidos condições mínimas de assistência. FRANÇA, Alba Maria Bomfim; SILVA, Jovânia Marques de Oliveira. Maternidade em situação de prisão. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v. 29, n. 4, p. 411-420, out./dez. 2015. Disponível em: < http://www.portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/14026/pdf_22 >. Acesso em: 10 de junho de 2016. FRANÇA, Alba Maria Bomfim; SILVA, Jovânia Marques de Oliveira. A mulher em situação de prisão e a vivência da maternidade. Rev enferm UFPE on line., Recife, 10(5):1891-4, maio., 2016. Disponível em: < http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/7975/pdf_10279 >. Acesso em: 01 de junho de 2016. FRANÇA, Marlene Helena de Oliveira. Criminalidade e prisão feminina: uma análise da questão de gênero. Revista Ártemis, Vol. XVIII nº 1; jul-dez, 2014. 212-227 p. Disponível em: < http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/criminalidade_e_prisao_feminina.pdf >. Acesso em: 09 de novembro de 2015. GALHARDI, Sueli. Projeto Tecendo o Futuro. Secretária Municipal da Mulher - Prefeitura do Município de Londrina, 2011. Disponível em: < http://www.fiepr.org.br/nospodemosparana/uploadAddress/projeto_tecendo_futuro[29432].pdf >. Acesso em: 27 de outubro de 2015. LOPES, Regina Maria Fernandes; MELLO, Daniela Canazaro; ARGIMON, Irani Iracema de Lima. Mulheres encarceradas e fatores associados a drogas e crimes. Ciências & Cognição 2010; Vol 15 (2): 121-131. Disponível em: < http://www.cienciasecognicao.org/pdf/v15_2/11_121-131_m308.pdf >. Acesso em: 19 de agosto de 2015. MARTINS, Thais Pereira; LEITE, Cristiane Kerches da Silva. Políticas Públicas para Mulheres Encarceradas no Brasil: trajetória de uma Agenda Governamental Travada. VI ENAPEGS, São Paulo, 2012. MINZON, Camila Valéria; DANNER, Glaucia Karina; BARRETO, Danielle Jardim. Sistema prisional: conhecendo as vivências da mulher inserida neste contexto. Akrópolis Umuarama, v. 18, n. 1, jan./mar. 2010, 71-81 p. Disponível em: < http://revistas.unipar.br/?journal=akropolis&page=article&op=view&path%5B%5D=3118 >. Acesso em: 03 de setembro de 2015. RIBEIRO, Sabrina Gomes et al. Perfil gineco-obstétrico de mulheres encarceradas no estado do Ceará. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2013 Jan-Mar; 22(1): 13-21 p. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/tce/v22n1/pt_02.pdf >. Acesso em: 06 de outubro de 2015. ROCHA, Luciano Chaves Dutra et al. Percepção das mulheres encarceradas em penitenciária em relação á atenção a saúde da mulher. 2014. Disponível em: < http://www.convibra.org/upload/paper/2013/75/2013_75_6305.pdf >. Acesso em: 04 de junho de 2016. SÃO PAULO. Direitos e deveres da mulher presa. Defensoria pública do estado de São Paulo. Disponível em: < http://www.defensoria.sp.gov.br/dpesp/Repositorio/30/Documentos/Artigos%20e%20cartilhas/cartilha-mulherpresa[1].pdf >. Acesso em: 20 de janeiro de 2015. SÃO PAULO. Pastoral Carcerária Nacional - CNBB. Copyright, 2016. Disponível em: < http://carceraria.org.br/ >. Acesso em: 28 de março de 2016. SCHERER, Zeyne Alves Pires et al. Perfil sociodemográfico e história penal da população encarcerada de uma penitenciária feminina do interior do estado de São Paulo. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. (Ed. Port.) 2011, vol.7, n.2, pp. 55-62.Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-69762011000200002 >. Acesso em: 06 de outubro de 2015.