Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 1823


1823

Entre o Estado, a sociedade e a família: mulheres cuidadoras

Autores:
Irene Duarte Souza (irenesouza@hotmail.com) (Universidade Federal de Juiz de Fora) ; Jéssica de Aquino Pereira (Universidade Estadual de Campinas) ; Eliete Maria Silva (Universidade Estadual de Campinas)

Resumo:
Objetivo: investigar o care realizado por cuidadoras familiares de idosos dependentes que estão em atenção domiciliar pública e suas repercussões sociais, discutindo as facetas entre Estado e famílias. Método: pesquisa transversal descritiva. Foram pesquisados 45 cuidadores, entre março de 2016 a fevereiro de 2017. A discussão foi elaborada à luz das obras Cuidado e cuidadoras: as várias faces do trabalho do care (2012), e Gênero e trabalho no brasil e na França (2016). Quase a totalidade das cuidadoras eram mulheres (95%), realizavam diversos cuidados domiciliares e incorporaram tecnologias e equipamentos médicos ao seu care. Dedicavam-se em média 18 horas por dia ao cuidado e cuidavam em média a quatro anos e meio e idade média de 55 anos, 82% estavam adoecidas e 43% não possuíam renda. Conclusão: demonstrou-se a relevância do care das mulheres cuidadoras para a sociedade bem como sua invisibilidade perante políticas públicas de saúde e social. Palavras Chave: Cuidadores, Serviços de Assistência Domiciliar; Idoso. Keywords: Caregivers; Home Care Services; Aged. EIXO IV - Práticas que contribuem para construção de uma sociedade democrática: educação popular em saúde, relações ético-raciais e de gênero, e movimentos sociais.


Referências:
1. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Atlas do censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE; 2013. 2. Kalache A. O mundo envelhece: é imperativo criar um pacto de solidariedade social. Ciênc Saúde Coletiva. 2008;13(4):1107-11. 3. Adelman R, Tmanova L, Delgado D, Dion S, Lachs M. Caregiver burden: a clinical review. JAMA. 2014;311(10):1052-60. 4. Chatterji S, Byles J, Cutler D, Seeman T, Verdes E. Health, functioning, and disability in older adults--present status and future implications. Lancet Lond Engl. 2015;385(9967):563-75. 5. Campos A, Almeida M, Campos G, Bogutchi T. Prevalência de incapacidade funcional por gênero em idosos brasileiros: uma revisão sistemática com metanálise. Rev Bras Geriatr e Gerontol. 2016;19(3):545-59 6. Hirata H, Guimarães N. Introdução. In: Hirata H, Guimarães N, organizadores. Cuidado e cuidadoras. São Paulo: Atlas; 2012. p. 1-11. 7. Brasil. Lei n. 10.741, de 1o de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. DOU. 3 de outubro de 2003;Seção 1:1. 8. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Estatuto do idoso: avanços com contradições. Rio de Janeiro : IPEA; 2013. 9. Hosseinpoor A, Bergen N, Chatterji S. Socio-demographic determinants of caregiving in older adults of low- and middle-income countries. Age Ageing. 2013;42(3):330-8. 10. MacNaughton-Doucet L. Determinants of health in discharge planning for seniors: asking the right questions. Can J Aging Rev Can Vieil. 2013;32(3):307-15. 11. Hirata H, Guimarães NA, organizadores. Cuidado e cuidadoras: as várias facetas do trabalho do care. São Paulo: Atlas; 2012. 12. Pascale Molinier. Ética e trabalho do care. Cap. 2 In: Hirata H, Guimarães NA, organizadores. Cuidado e cuidadoras: as várias facetas do trabalho do care. São Paulo: Atlas; 2012. p 29-43. 13. Ministério da Saúde. Portaria n. 825, de 25 de abril de 2016. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e atualiza as equipes habilitadas. DOU. 10 de junho de 2016; Seção 1:74. 14. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.527, de 27 de outubro de 2011. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). DOU. 28 de outubro de 2011;Seção 1:44. 15. Silva K, Merhy E, Feuerwerker L, Seixas C, Sena R. Atenção domiciliar como mudança do modelo tecnoassistencial. Rev Saúde Pública. 2010;44(1):166-76. 16. Minosso J, Amendola F, Alvarenga M, Oliveira M. Validação, no Brasil, do Índice de Barthel em idosos atendidos em ambulatórios. Acta Paul Enferm. 2010;23(2):218-23. 17. Abreu A, Hirata H, Lombardi M, organizadores. Gênero e trabalho na França e no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016. 18. Guimarães NA, Hirata HS, Sugita K. Cuidado e cuidadoras: o trabalho do care no Brasil, França e Japão. In: Hirata H, Guimarães NA, organizadores. Cuidado e cuidadoras: as várias facetas do trabalho do care. São Paulo: Atlas; 2012. p. 83. 19. Viviana Zelizer. A economia do care. Cap. 1 In: Hirata H, Guimarães NA, organizadores. Cuidado e cuidadoras: as várias facetas do trabalho do care. São Paulo: Atlas; 2012.p 15-28. 20. Wolff J, Spillman B, Freedman V, Kasper J. A National Profile of Family and Unpaid Caregivers Who Assist Older Adults With Health Care Activities. JAMA Intern Med. 2016;176(3):372-9. 21. Cedano S, Bettencourt A, Traldi F, Machado M, Belasco A. Quality of life and burden in carers for persons with Chronic Obstructive Pulmonary Disease receiving oxygen therapy. Rev Lat Am Enfermagem. 2013;21(4):860-7. 22. Ferreira C, Alexandre T, Lemos N. Fatores associados à qualidade de vida de cuidadores de idosos em assistência domiciliária. Saúde e Soc. 2011;20(2):398-409. 23. Navarro-Sandoval C, Uriostegui-Espíritu L, Delgado-Quiñones E, Sahagún-Cuevas M. Depresión y sobrecarga en cuidadores primarios de pacientes geriátricos con dependencia física de la UMF 171. Rev Médica Inst Mex Seguro Soc. 2017;55(1):25-31. 24. Guita Debert. Imigrantes, Estado e Família: o cuidado do idoso e suas vicissitudes. Cap.: 13. In: Hirata H, Guimarães NA, organizadores. Cuidado e cuidadoras: as várias facetas do trabalho do care. São Paulo: Atlas; 2012. p. 231. 25. Tomomitsu M, Lemos N, Perracini M. Prevalência e fatores associados à fragilidade em cuidadores idosos. Rev Bras Geriatr e Gerontol. 2010;4(1):3-12. 26. Luchesi B, Souza E, Gratão A, Gomes G, Inouye K, Alexandre T, et al. The evaluation of perceived stress and associated factors in elderly caregivers. Arch Gerontol Geriatr. 2016;67:7-13. 27. Lou Q, Liu S, Huo Y-R, Liu M, Liu S, Ji Y. Comprehensive analysis of patient and caregiver predictors for caregiver burden, anxiety and depression in Alzheimer´s disease. J Clin Nurs. 2015;24(17-18):2668-78. 28. Muniz E, Freitas C, Oliveira E, Lacerda M. Grau de sobrecarga dos cuidadores de idosos atendidos em domicílio pela Estratégia Saúde da Família. Saúde em Debate. 2016;40(110):172-82. 29. Bien-Barkowska K, Doroszkiewicz H, Bien B. Silent strain of caregiving: exploring the best predictors of distress in family carers of geriatric patients. Clin Interv Aging. 2017;12:263-74. 30. Souza L, Hanus J, Libera D, Bolzan L, Silva V, Mangilli E, et al. Sobrecarga no cuidado, estresse e impacto na qualidade de vida de cuidadores domiciliares assistidos na atenção básica. Cad Saúde Coletiva. 2015;23(2):140-9. 31. Anjos K, Boery R, Pereira R. Qualidade de vida de cuidadores familiares de idosos dependentes no domicílio. Texto Contexto - Enferm. 2014;23(3):600-8. 32. Storti L, Quintino D, Silva N, Kusumota L, Marques S. Neuropsychiatric symptoms of the elderly with Alzheimer´s disease and the family caregivers´ distress. Rev Lat Am Enfermagem. 2016;24:e2751. 33. Bianchi M, Flesch L, Alves E, Batistoni S, Neri A. Zarit Burden Interview Psychometric Indicators Applied in Older People Caregivers of Other Elderly. Rev Lat Am Enfermagem. 2016;24:e2835. 34. Godinho, T. Prefácio. In: Abreu A, Hirata H, Lombardi M, organizadores. Gênero e trabalho na França e no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016. 35. Abreu A, Sorj B, Hirata H, Maruani M, Lombardi M, Guimarães N. Introdução. In: Abreu A, Hirata H, Lombardi M, organizadores. Gênero e trabalho na França e no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016. 36. Kergoat D. O cuidado e as imbricações das relações sociais. In: Abreu A, Hirata H, Lombardi M, organizadores. Gênero e trabalho na França e no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016. 37. Mendes G, Moraes C, Gomes L. Prevalência de hipertensão arterial sistêmica em idosos no Brasil entre 2006 e 2010. Rev Bras Med Fam e Comunidade. 2014;9(32):273-8. 38. Liu S, Li C, Shi Z, Wang X, Zhou Y, Liu S, et al. Caregiver burden and prevalence of depression, anxiety and sleep disturbances in Alzheimer´s disease caregivers in China. J Clin Nurs. 2017;26(9-10):1291-300. 39. Floriani C, Schramm F. Atendimento domiciliar ao idoso: problema ou solução? Cad Saúde Pública. 2004;20(4):986-94. 40. Lacerda, MR. Cuidado domiciliar: em busca da autonomia do indivíduo e da família na perspectiva da área pública. In: 58º Congresso Brasileiro de Enfermagem; 2006; Nov 05-09; Salvador. 41. Abramo L, Valenzuela M. Tempo e trabalho remunerado e não remunerado na América Latina. In: Abreu A, Hirata H, Lombardi M, organizadores. Gênero e trabalho na França e no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016. 42. Thierry Ribaut. Cuidadoras domiciliares: que tipo de profissionalização?. Cap.: 7. In: Hirata H, Guimarães NA, organizadores. Cuidado e cuidadoras: as várias facetas do trabalho do care. São Paulo: Atlas; 2012. p. 129. 43. Amendola F, Oliveira M, Alvarenga M. Influência do apoio social na qualidade de vida do cuidador familiar de pessoas com dependência. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(4):884-9. 44. Lasebikan V, Ayinde O. Family Burden in Caregivers of Schizophrenia Patients: Prevalence and Socio-demographic Correlates. Indian J Psychol Med. 2013;35(1):60-6. 45. Mazanec S, Daly B, Douglas S, Lipson A. Work productivity and health of informal caregivers of persons with advanced cancer. Res Nurs Health. 2011;34(6):483-95.