Imprimir Resumo


Anais :: 69° CBEn • ISSN: 2318-6518
Resumo: 1827


1827

MARCADORES DA IMAGEM PÚBLICA DA ENFERMEIRA (1916-1931): PESQUISA CORRELACIONAL.

Autores:
Lana Rodrigues Barbosa (lanarodriguesb@gmail.com) (UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO/UNIRIO) ; Marina Medeiros (UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO/UNIRIO) ; Fernando Porto (UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO/UNIRIO) ; Mercedes Neto (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO /UERJ) ; Margarida Bernardes (UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO/UNIRIO) ; Hugo A. Neves (UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO/UNIRIO)

Resumo:
Objetivo: Quantificar e examinar os marcadores imagéticos ostentados na cabeça das enfermeiras por meio das imagens veiculadas na imprensa ilustrada. Métodos: Pesquisa correlacional com base nas imagens de enfermeiras nas páginas da Revista da Semana, tendo por critério os marcadores: véu, gorro, touca e símbolo da cruz. Resultados: A cruz foi o marcador imagético de maior percentual apresentado, com 34,6%; seguido do véu, com 32,2%, pré e pós-implantação da enfermagem moderna no Brasil, no contexto da I Guerra Mundial e durante a reforma de Saúde Pública, liderada por Carlos Chagas, quando o fenômeno da touca, com 23,7%, e do gorro, com 9,2%, se apresentaram. Considerações finais: Os marcadores imagéticos véu e símbolo da cruz se destacaram, o que aponta para o indício de reação por parte das enfermeiras de saúde pública à proclamação legítima em se tornarem referência como ensino padrão no país. Descritores: Enfermagem; História da Enfermagem, Vestuário.


Referências:
1. Porto F, Santos TCF. A Enfermeira Brasileira na Mira do Click Fotográfico (1919-1925). In: Porto F, Amorim W, editores. História da Enfermagem. Rio de Janeiro: Editora Águia Dourada; 2007 2. Neto M. A produção da crença na imagem da enfermeira da Cruz Vermelha Brasileira no período da I Guerra Mundial (1917-1918). Rio de Janeiro. Dissertação [Mestrado em Enfermagem]- Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Rio de Janeiro, 2011. 3. Coury A. Fatos e fotos da enfermeira da Cruz Vermelha Brasileira no enfretamento da gripe espanhola (1918). Rio de Janeiro. Dissertação [Mestrado em Enfermagem]- Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Rio de Janeiro, 2010. 4. Fonseca EFR, Porto F. A imagem pública da parteira-enfermeira da Pró-Matre do Rio de Janeiro no período de 1928-1931. Rio de Janeiro. Dissertação [Mestrado em Enfermagem]- Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Rio de Janeiro, 2011. 5. Rodrigues TF, Porto FR, Moreira A. Aparelhagem da imagen pública da enfermeira na revista da semana (1916-1924). R. pesq.: cuid. fundam. online 2010. out/dez. 2(Ed. Supl.):98-101. 6. Porto F. Escolas e cursos de Enfermagem na história da profissão no Brasil (1890-1922). Cultura de los Cuidados, v. 14, p. 40-45, 2010. 7. Porto F, Neto M. Enfermeira na Imprensa Ilustrada Brasileira (1890-1925): assinatura imagética. São Paulo, Unesp, v. 10, n. 1, p. 199-221, jan-jun, 2014. 8. Mauad-Andrade AMS. Sob o signo da imagem. A produção fotográfica e o controle dos códigos de representação social da classe dominante do Rio de Janeiro da primeira metade do século XX. Volume I. Rio de Janeiro. Tese [Doutorado em História]- Universidade Federal Fluminense; Niterói, 1991. 9. Fonseca EFR, Porto F. Enfermeiras-parteiras e uniforme: indícios e representações objetais na construção da identidade profissional. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2011 jul/set; 19(3):432-7 10. Peres MAA, Padilha MICS. Uniforme como signo de uma nova identidade de enfermeira no Brasil (1923-1931). Esc Anna Nery 2014;18(1):112-121 11. Porto F, Santos TCF. O rito e os emblemas na formatura das enfermeiras brasileiras no distrito federal (1924-1925). Esc Anna Nery Rev Enferm 2009 abr-jun; 13 (2): 249- 55 12. Brasil. Lei nº. 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e da outras providências. Diário Oficial da república Federativa do Brasil 20 de fev 1998.